32º Domingo do Tempo Comum

Escrito em 10/11/2019
imprensa

Primeira Leitura: 2 Macabeus 7,1-2.9-14

Leitura do segundo livro dos Macabeus – Naqueles dias, aconteceu que foram presos sete irmãos com sua mãe, aos quais o rei, por meio de golpes de chicote e de nervos de boi, quis obrigar a comer carne de porco, que lhes era proibida. Um deles, tomando a palavra em nome de todos, falou assim: “Que pretendes? E que procuras saber de nós? Estamos prontos a morrer, antes que violar as leis de nossos pais”. O segundo, prestes a dar o último suspiro, disse: “Tu, ó malvado, nos tiras desta vida presente. Mas o rei do universo nos ressuscitará para uma vida eterna, a nós que morremos por suas leis”. Depois deste, começaram a torturar o terceiro. Apresentou a língua logo que o intimidaram e estendeu corajosamente as mãos. E disse, cheio de confiança: “Do céu recebi estes membros; por causa de suas leis, os desprezo, pois do céu espero recebê-los de novo”. O próprio rei e os que o acompanhavam ficaram impressionados com a coragem desse adolescente, que considerava os sofrimentos como se nada fossem. Morto também esse, submeteram o quarto irmão aos mesmos suplícios, desfigurando-o. Estando quase a expirar, ele disse: “Prefiro ser morto pelos homens, tendo em vista a esperança dada por Deus, que um dia nos ressuscitará. Para ti, porém, ó rei, não haverá ressurreição para a vida!” – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 16(17)

Ao despertar, me saciará vossa presença / e verei a vossa face!

  1. Ó Senhor, ouvi a minha justa causa, / escutai-me e atendei o meu clamor! / Inclinai o vosso ouvido à minha prece, / pois não existe falsidade nos meus lábios! – R.
  2. Os meus passos eu firmei na vossa estrada, / e por isso os meus pés não vacilaram. / Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis, / inclinai o vosso ouvido e escutai-me! – R.
  3. Protegei-me qual dos olhos a pupila / e guardai-me à proteção de vossas asas. / Mas eu verei, justificado, a vossa face / e, ao despertar, me saciará vossa presença. – R.
Segunda Leitura: 2 Tessalonicenses 2,16-3,5

Leitura da segunda carta de são Paulo aos Tessalonicenses – Irmãos, nosso Senhor Jesus Cristo e Deus nosso Pai, que nos amou em sua graça e nos proporcionou uma consolação eterna e feliz esperança, animem os vossos corações e vos confirmem em toda boa ação e palavra. Quanto ao mais, irmãos, rezai por nós, para que a palavra do Senhor seja divulgada e glorificada como foi entre vós. Rezai também para que sejamos livres dos homens maus e perversos, pois nem todos têm a fé! Mas o Senhor é fiel; ele vos confirmará e vos guardará do mal. O Senhor nos dá a certeza de que vós estais seguindo e sempre seguireis as nossas instruções. Que o Senhor dirija os vossos corações ao amor de Deus e à firme esperança em Cristo. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 20,27-38 ou 27.34-38

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – [Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus, que negam a ressurreição, e o interrogaram]: “Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver um irmão casado e este morrer sem filhos, deve casar-se com a viúva a fim de garantir a descendência para o seu irmão. Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu sem deixar filhos. Também o segundo e o terceiro se casaram com a viúva. E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos. Por fim, morreu também a mulher. Na ressurreição, ela será esposa de quem? Todos os sete estiveram casados com ela”. [Jesus respondeu aos saduceus: “Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se, mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento; e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos, serão filhos de Deus, porque ressuscitaram. Que os mortos ressuscitam, Moisés também o indicou na passagem da sarça, quando chama o Senhor de ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus termina sua longa caminhada e já se encontra em Jerusalém. Lá enfrenta alguns adversários e procura esclarecer algumas dúvidas da comunidade. A dúvida do evangelho deste domingo é sobre a questão da ressurreição posta pelo grupo conservador dos saduceus. A ressurreição é o antigo e sempre atual questionamento sobre o que acontece depois da morte. Os saduceus são os sacerdotes guardiões do templo e da Lei. Eles só aceitavam o Pentateuco (a Lei), no qual nada se fala de ressurreição. Diante disso, apresentam o caso da mulher que teve sete maridos (lei do

levirato) e perguntam a Jesus de quem ela será esposa depois da ressurreição. Introduzem esse caso para mostrar o absurdo da ressurreição. Jesus responde aos saduceus em dois momentos: o outro mundo não é reprodução do presente; o Deus da revelação é Deus dos vivos (Abraão, Isaac e Jacó). O sentido da vida humana é viver para Deus. Uma vida assim vivida não conhece fim. Quem está com Deus estará sempre vivo. O Deus criador da vida é também o ressuscitador que leva o ser humano à sua plenitude. Amando o Deus que é amor estaremos nele nesta vida e na eternidade. O Deus do amor deseja para todos uma vida feliz e plena para sempre.