Natal do Senhor – Quarta-feira

Escrito em 25/12/2019
imprensa

Primeira Leitura: Isaías 9,1-6

Leitura do livro do profeta Isaías – O povo que andava na escuridão viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandeceu. Fizeste crescer a alegria e aumentaste a felicidade; todos se regozijam em tua presença como alegres ceifeiros na colheita ou como exaltados guerreiros ao dividirem os despojos. Pois o jugo que oprimia o povo – a carga sobre os ombros, o orgulho dos fiscais –, tu os abateste como na jornada de Madiã. Botas de tropa de assalto, trajes manchados de sangue, tudo será queimado e devorado pelas chamas. Porque nasceu para nós um menino, foi-nos dado um filho; ele traz aos ombros a marca da realeza; o nome que lhe foi dado é: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai dos tempos futuros, Príncipe da paz. Grande será o seu reino, e a paz não há de ter fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reinado, que ele irá consolidar e confirmar, em justiça e santidade, a partir de agora e para todo o sempre. O amor zeloso do Senhor dos exércitos há de realizar essas coisas. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 95(96)

Hoje nasceu para nós / o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

1. Cantai ao Senhor Deus um canto novo, † cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! / Cantai e bendizei seu santo nome! – R.

2. Dia após dia anunciai sua salvação, † manifestai a sua glória entre as nações / e, entre os povos do universo, seus prodígios! – R.

3. O céu se rejubile e exulte a terra, / aplauda o mar com o que vive em suas águas; / os campos com seus frutos rejubilem, / e exultem as florestas e as matas. – R.

4. Na presença do Senhor, pois ele vem, / porque vem para julgar a terra inteira. / Governará o mundo todo com justiça, / e os povos julgará com lealdade. – R.

Segunda Leitura: Tito 2,11-14

Leitura da carta de são Paulo a Tito – Caríssimo, a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação para todos os homens. Ela nos ensina a abandonar a impiedade e as paixões mundanas e a viver neste mundo com equilíbrio, justiça e piedade, aguardando a feliz esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e salvador, Jesus Cristo. Ele se entregou por nós para nos resgatar de toda maldade e purificar para si um povo que lhe pertença e que se dedique a praticar o bem. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 2,1-14
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Aconteceu que, naqueles dias, César Augusto publicou um decreto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Esse primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam registrar-se, cada um na sua cidade natal. Por ser da família e descendência de Davi, José subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, até a cidade de Davi, chamada Belém, na Judeia, para registrar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam em Belém, completaram-se os dias para o parto, e Maria deu à luz o seu filho primogênito. Ela o enfaixou e o colocou na manjedoura, pois não havia lugar para eles na hospedaria. Naquela região havia pastores que passavam a noite nos campos, tomando conta do seu rebanho. Um anjo do Senhor apareceu aos pastores, a glória do Senhor os envolveu em luz, e eles ficaram com muito medo. O anjo, porém, disse aos pastores: “Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido envolvido em faixas e deitado numa manjedoura”. E, de repente, juntou-se ao anjo uma multidão da coorte celeste. Cantavam louvores a Deus, dizendo: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens por ele amados”. – Palavra da salvação.
Reflexão:

O relato do evangelho na missa da noite de Natal inicia com um enquadramento histórico, procura situar no tempo e no espaço o nascimento do Filho de Deus. Não é, porém, um relato histórico, e sim uma leitura teológica da história da salvação. José e Maria, conforme determinação do imperador Augusto, se dirigem a Belém, cidade de Davi e de José, para se registrarem. Enquanto estavam lá, Maria dá à luz seu filho. Jesus não nasce em Jerusalém, cidade do poder e dos poderosos, mas em Belém, aldeia insignificante dos pequenos. Lá é colocado numa manjedoura, pois não havia lugar para ele na casa. Os pastores, pessoas rudes e desprezadas, são os primeiros a receber e acolher a Boa Notícia do Salvador da humanidade. A salvação não vem do poder central (Augusto) e da capital (Roma), mas nasce no meio do povo sofrido e desprezado (pastores) e da aldeia (Belém). Portanto, nesse relato do nascimento de Jesus não tem nada de romantismo. A salvação que vem de Deus, por meio de Jesus, é para todos, mas começa pela periferia, pelos pobres e desprezados. Celebrando o Natal, juntemos nossa voz ao coro celestial e, juntos, cantemos “glória a Deus nas alturas e paz na terra aos que ele ama”.