Semana da Epifania – Segunda-feira

Escrito em 06/01/2020
imprensa

Primeira Leitura: 1 João 3,22-4,6

Leitura da primeira carta de são João – Caríssimos, qualquer coisa que pedimos recebemos dele, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é do seu agrado. Este é o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, de acordo com o mandamento que ele nos deu. Quem guarda os seus mandamentos permanece com Deus e Deus permanece com ele. Que ele permanece conosco, sabemo-lo pelo Espírito que ele nos deu. Caríssimos, não acrediteis em qualquer espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo. Este é o critério para saber se uma inspiração vem de Deus: todo espírito que leva a professar que Jesus Cristo veio na carne é de Deus; e todo espírito que não professa a fé em Jesus não é de Deus – é o espírito do anticristo. Ouvistes dizer que o anticristo virá; pois bem, ele já está no mundo. Filhinhos, vós sois de Deus e vós vencestes o anticristo. Pois convosco está quem é maior do que aquele que está no mundo. Os vossos adversários são do mundo; por isso, agem conforme o mundo, e o mundo lhes presta ouvidos. Nós somos de Deus. Quem conhece a Deus escuta-nos; quem não é de Deus não nos escuta. Nisto reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro. – Palavra do Senhor.

Salmo: 2,7-8.10-11(R.8a)

Eu te darei por tua herança os povos todos.

1. O decreto do Senhor promulgarei, † foi assim que me falou o Senhor Deus: / “Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!” / Podes pedir-me, e em resposta eu te darei, † por tua herança, os povos todos e as nações, / e há de ser a terra inteira o teu domínio. – R.

2. E agora, poderosos, entendei; / soberanos, aprendei esta lição: / com temor servi a Deus, rendei-lhe glória / e prestai-lhe homenagem com respeito! – R.

Evangelho: Matheus 4, 12-17. 23-25

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, no território de Zabulon e ­­Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: “Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”. Daí em diante, Jesus começou a pregar, dizendo: “Convertei-vos, porque o reino dos céus está próximo”. Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo. E sua fama espalhou-se por toda a Síria. Levavam-lhe todos os doentes, que sofriam diversas enfermidades e tormentos: endemoninhados, epiléticos e paralíticos. E Jesus os curava. Numerosas multidões o seguiam, vindas da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judeia e da região além do Jordão. – Palavra da salvação.

Reflexão:

João Batista tinha-nos garantido que depois dele viria alguém superior a ele. Eis que de Nazaré vem Jesus. Deixa sua cidade e desloca- se para Cafarnaum, que se encontra numa região oprimida e explorada, distante do poder central (Jerusalém). O povo sofrido e marginalizado desse lugar “viu uma grande luz”. A luz é a presença de Jesus que inaugura o Reino de Deus, com palavras de ordem: “Arrependam-se, porque o Reino de Deus está próximo”. Os sinais da presença do Reino são visíveis, e os que se abrem ao anúncio de Jesus podem usufruir de seus gestos libertadores: ele cura diversas enfermidades e expulsa demônios. O Messias causa verdadeira reviravolta não apenas onde desenvolve sua missão, mas também atraindo multidões dos lugares mais distantes.