Sábado depois da Epifania

Escrito em 11/01/2020
imprensa

Primeira Leitura: 1 João 5,14-21

Leitura da primeira carta de são João – Caríssimos, esta é a confiança que temos no Filho de Deus: se lhe pedimos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve. E se sabemos que ele nos ouve em tudo o que lhe pedimos, sabemos que possuímos o que havíamos pedido. Se alguém vê seu irmão cometer um pecado que não conduz à morte, que ele reze, e Deus lhe dará a vida; isso se, de fato, o pecado cometido não conduz à morte. Existe um pecado que conduz à morte, mas não é a respeito deste que eu digo que se deve rezar. Toda iniquidade é pecado, mas existe pecado que não conduz à morte. Sabemos que todo aquele que nasceu de Deus não peca. Aquele que é gerado por Deus o guarda, e o maligno não o pode atingir. Nós sabemos que somos de Deus, ao passo que o mundo inteiro está sob o poder do maligno. Nós sabemos que veio o Filho de Deus e nos deu inteligência para conhecermos aquele que é o verdadeiro. E nós estamos com o verdadeiro, no seu Filho, Jesus Cristo. Este é o Deus verdadeiro e a vida eterna. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 149

O Senhor ama seu povo, de verdade.

1. Cantai ao Senhor Deus um canto novo / e o seu louvor na assembleia dos fiéis! / Alegre-se Israel em quem o fez, / e Sião se rejubile no seu rei! – R.

2. Com danças glorifiquem o seu nome, / toquem harpa e tambor em sua honra! / Porque, de fato, o Senhor ama seu povo / e coroa com vitória os seus humildes. – R.

3. Exultem os fiéis por sua glória / e, cantando, se levantem de seus leitos / com louvores do Senhor em sua boca. / Eis a glória para todos os seus santos. – R.

Evangelho: João 3,22-30

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, Jesus foi com seus discípulos para a região da Judeia. Permaneceu aí com eles e batizava. Também João estava batizando, em Enon, perto de Salim, onde havia muita água. Aí chegavam as pessoas e eram batizadas. João ainda não tinha sido posto no cárcere. Alguns discípulos de João estavam discutindo com um judeu a respeito da purificação. Foram a João e disseram: “Rabi, aquele que estava contigo além do Jordão, e do qual tu deste testemunho, agora está batizando, e todos vão a ele”. João respondeu: “Ninguém pode receber alguma coisa se não lhe for dada do céu. Vós mesmos sois testemunhas daquilo que eu disse: ‘Eu não sou o Messias, mas fui enviado na frente dele’. É o noivo que recebe a noiva, mas o amigo, que está presente e o escuta, enche-se de alegria ao ouvir a voz do noivo. Esta é a minha alegria, e ela é completa. É necessário que ele cresça e eu diminua”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

João Batista tem clareza quanto à sua função de mediador. Seus discípulos, talvez enciumados, constatam que os discípulos de Jesus também estão batizando e “todos vão ao encontro dele”. Quem está certo? Como resolver o impasse? João tem a solução. O centro das atenções é o Messias. Ele é o Noivo da comunidade. João é amigo do noivo, aquele que ajuda a preparar o casamento, isto é, a comunhão definitiva de Jesus com a humanidade. A ele João encaminha os próprios discípulos, pois sabe que sua função de apresentar o Messias está se concluindo. Então, com toda a convicção, liberdade e desapego, afirma a respeito de Jesus: “É preciso que ele cresça e eu diminua”. João sai de cena e dá lugar ao Ator principal, o Messias.