17ª Semana do Tempo Comum – Segunda-feira

Escrito em 27/07/2020
imprensa

Primeira Leitura: Jeremias 13,1-11

Leitura do livro do profeta Jeremias – Isto disse-me o Senhor: “Vai comprar um cinto de linho e põe-no em torno da cintura, mas não o deixes molhar na água”. Comprei o cinto, conforme a ordem do Senhor, e coloquei-o à cintura. E a palavra do Senhor dirigiu-se a mim pela segunda vez, dizendo: “Toma o cinto que compraste e tens à cintura, levanta-te e vai ao Eufrates, esconde-o lá na fenda de uma pedra”. Fui e o escondi perto do Eufrates, conforme mandara o Senhor. Ora, ao cabo de muitos dias, disse-me o Senhor: “Levanta-te, vai ao Eufrates e retira de lá o cinto que te mandei esconder”. Fui ao Eufrates, cavei e retirei o cinto do lugar, onde o tinha escondido; mas eis que o cinto tinha apodrecido tanto, que não servia mais para nada. E a palavra do Senhor dirigiu-se a mim, dizendo: “Isto diz o Senhor: assim farei apodrecer a grande soberba de Judá e de Jerusalém; esse povo perverso, que se recusa a ouvir minhas palavras, convive com a maldade no coração e vai atrás de deuses estrangeiros, prestando-lhes culto e prostrando-se diante deles, será como este cinto que não serve mais para nada. Pois, assim como o cinto se une à cintura do homem, assim quis eu que toda a casa de Israel e toda a casa de Judá se unissem a mim, diz o Senhor, para ser meu povo, honra do meu nome, louvor e glória. Mas não ouviram”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: Dt 32

Esqueceram o Deus que os gerou.

1. Da rocha que te deu à luz te esqueceste, / do Deus que te gerou não te lembraste. / Vendo isso, o Senhor os desprezou, / aborrecido com seus filhos e suas filhas. – R.

2. E disse: Esconderei deles meu rosto / e verei, então, o fim que eles terão, / pois tornaram-se um povo pervertido, / são filhos que não têm fidelidade. – R.

3. Com deuses falsos provocaram minha ira, / com ídolos vazios me irritaram; / vou provocá-los por aqueles que nem povo são, / através de gente louca hei de irritá-los. – R.

Evangelho: Mateus 13,31-35

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, Jesus contou-lhes outra parábola: “O Reino dos céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos”. Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Os discípulos de Jesus e as primeiras comunidades cristãs certamente ansiavam por ver os bons resultados de seu empenho pelo Reino de Deus. O crescimento, no entanto, era dificultoso e o futuro, nebuloso. Será que valia a pena investir a vida numa obra, cujos membros eram perseguidos e muitos deles cruelmente martirizados? Então se lembraram das parábolas do minúsculo grão de mostarda e do fermento na massa. Duas coisas quase imperceptíveis, porém com grande potencial de crescimento, e promessa de abundantes frutos. Assim, o Reino de Deus e seu desenvolvimento ao longo da História. Os sinais do Reino, embora discretos, estão por toda parte. A nós, cristãos e cristãs de todos os tempos e lugares, cabe colaborar por sua expansão e solidez.