18ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira

Escrito em 04/08/2020
imprensa

Primeira Leitura: Jeremias 30,1-2.12-15.18-22

Leitura do livro do profeta Jeremias – Palavra que foi dirigida a Jeremias da parte do Senhor: “Isto diz o Senhor, Deus de Israel: Escreve para ti, num livro, todas as palavras que te falei. Isto diz o Senhor: Incurável é tua ferida, maligna tua chaga; não há quem conheça teu diagnóstico; uma úlcera tem remédio, mas em ti não se produz cicatrização. Todos os teus amigos te esqueceram, não te procuram mais; eu te causei uma ferida, como se fosses inimigo, como um castigo cruel, por causa do grande número de maldades que te fez endurecer no pecado. Por que gritas em teu sofrimento? É insanável a tua dor. Eu te tratei com rudeza por causa das tuas inúmeras maldades e por causa do teu endurecimento no pecado. Isto diz o Senhor: Eis que eu mudarei a sorte das tendas de Jacó e terei compaixão de suas moradias, a cidade ressurgirá das suas ruínas e a fortaleza terá lugar para suas fundações; de lá sairão cânticos de louvor e sons festivos. Hei de multiplicá-los, eles não diminuirão, hei de glorificá-los, eles não serão humilhados. Teus filhos serão felizes como outrora, e sua comunidade, estável na minha presença; e agirei contra todos os que os molestarem. Para chefe será escolhido um dos seus, e o soberano sairá do seu meio; eu o incitarei, e ele se aproximará de mim. Quem dará a vida em penhor da sua aproximação de mim? – diz o Senhor. Sereis meu povo e eu serei vosso Deus”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 101(102)

O Senhor olhou a terra do alto céu.

1. As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; / quando o Senhor reconstruir Jerusalém / e aparecer com gloriosa majestade, / ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.

2. Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. / Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, / e o Senhor olhou a terra do alto céu, / para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

3. Assim também a geração dos vossos servos † terá casa e viverá em segurança, / e ante vós se firmará sua descendência. / Para que cantem o seu nome em Sião / e louve ao Senhor Jerusalém / quando os povos e as nações se reunirem / e todos os impérios o servirem. – R.

Evangelho: Mateus 15,1-2.10-14

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, alguns fariseus e mestres da Lei, vindos de Jerusalém, aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que os teus discípulos não observam a tradição dos antigos? Pois não lavam as mãos quando comem o pão?” Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai e compreendei. Não é o que entra pela boca que torna o homem impuro, mas o que sai da boca, isso é que torna o homem impuro”. Então os discípulos se aproximaram e disseram a Jesus: “Sabes que os fariseus ficaram escandalizados ao ouvir as tuas palavras?” Jesus respondeu: “Toda planta que não foi plantada pelo meu Pai celeste será arrancada. Deixai-os! São cegos guiando cegos. Ora, se um cego guia outro cego, os dois cairão no buraco”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Doutores da Lei e fariseus se organizam e, de modo solene e oficial, partem para questionar Jesus. E fazem uma acusação grave: “Por que os teus discípulos desobedecem à tradição dos antepassados?” Na resposta para eles, Jesus inclui também a multidão e expõe um critério válido para todos os tempos e consciências: a impureza da pessoa não provém de um alimento, mas do íntimo da própria pessoa. Impuro é o ser humano com suas más intenções, egoísmo, injustiça… Impermeáveis, os fariseus saem como chegaram. A mensagem de Jesus não encontra acolhida neles, nem os leva a mudar de comportamento. Jesus então revela quem de fato eles são: “cegos guiando cegos”. Por não conhecerem o caminho, enganam os outros. Não são confiáveis.