23ª Semana do Tempo Comum – Sábado

Escrito em 12/09/2020
imprensa

Primeira Leitura: 1 Coríntios 10,14-22

Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios – Meus caríssimos, fugi da idolatria. Eu vos falo como a pessoas esclarecidas. Então, ponderai bem o que eu digo: o cálice da bênção, o cálice que abençoamos, não é comunhão com o sangue de Cristo? E o pão que partimos não é comunhão com o corpo de Cristo? Porque há um só pão, nós todos somos um só corpo, pois todos participamos desse único pão. Considerai os filhos de Israel: os que comem as vítimas sacrificais não estão em comunhão com o altar? Então, o que dizer? Que a carne de um sacrifício idolátrico tem algum valor? Ou que o ídolo vale alguma coisa? Nada disso. O que eu digo é que os idólatras oferecem seus sacrifícios aos demônios e não a Deus. Ora, eu não quero que entreis em comunhão com os demônios. Vós não podeis beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; vós não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou, quem sabe, queremos excitar o zelo santo do Senhor? Somos porventura mais fortes do que ele? – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 115(116)

Oferto ao Senhor um sacrifício de louvor.

1. Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor? / Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor. – R.

2. Por isso oferto um sacrifício de louvor, / invocando o nome santo do Senhor. / Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido. – R.

Evangelho: Lucas 6,43-49

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Não existe árvore boa que dê frutos ruins nem árvore ruim que dê frutos bons. Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos. Não se colhem figos de espinheiros nem uvas de plantas espinhosas. O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração. Mas o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio. Por que me chamais: ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo? Vou mostrar-vos com quem se parece todo aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e as põe em prática. É semelhante a um homem que construiu uma casa: cavou fundo e colocou o alicerce sobre a rocha. Veio a enchente, a torrente deu contra a casa, mas não conseguiu derrubá-la, porque estava bem construída. Aquele, porém, que ouve e não põe em prática é semelhante a um homem que construiu uma casa no chão, sem alicerce. A torrente deu contra a casa, e ela imediatamente desabou; e foi grande a ruína dessa casa”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Ninguém dá o que não tem. Uma pessoa pode até enganar seu semelhante por algum tempo, mas tal atitude não tem consistência: um dia a máscara cai. Ao falar da árvore e seus frutos, Jesus provavelmente se referia aos líderes do povo, que se passavam por bons, virtuosos e modelos dos outros, quando na realidade eram maus, vazios, às vezes repletos de malícia. Jesus manda prestar atenção ao que eles fazem. Os frutos revelam a árvore. O perigo da hipocrisia só pode ser superado se o comportamento exterior coincidir com a intenção interior. Boas obras vêm de pessoas honestas, benfazejas e recomendáveis. São as que ouvem a Palavra de Jesus e a põem em prática. São como casa assentada sobre bases sólidas, resistentes a todo tipo de intempéries.